Aguarde
     
Monteazulmg.com | Web
Encontre conteúdo postado no site por data
Anuncie aqui Informe-nos sobre
algum erro
Sobre o site
Web site » Notícias » Morador que reconheceu fósseis de dinossauro em Minas luta para que feito não seja esquecido » Morador que reconheceu fósseis de dinossauro em Minas luta para que feito não seja esquecido


Publicada em 21/11 08h57

Morador que reconheceu fósseis de dinossauro em Minas luta para que feito não seja esquecido


Por causa da participação no reconhecimento de fósseis, 
sobrenome de Ubirajara Macedo foi usado para batizar titanossauro: 
ele defende criação de museu (foto: Túlio Santos/EM/D.A.Press)

(Por Túlio Santos) O aposentado e artista plástico Ubirajara Alves Macedo, o Bira, de 70 anos, é voluntário numa luta solitária pela preservação da memória. Ele se tornou uma espécie de guardião da história – e da pré-história – de Coração de Jesus (Norte de Minas) desde que participou diretamente da descoberta de fósseis de um dinossauro no município, em 2004. Depois de longo estudo, pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) concluíram que os fósseis eram de um titanossauro de aproximadamente quatro metros de altura e 10 toneladas de peso, que acabou batizado como Tapuiasaurus macedoi – em referência aos índios tapuias que habitavam a região e ao sobrenome de Bira. Doze anos depois daquele achado, a história do artista plástico e sua batalha para que fósseis levados para pesquisa voltem a Coração de Jesus e para que a cidade seja reconhecida. “Hoje, quase ninguém sabe que teve (a descoberta dos fósseis)”, lamenta.

O interesse de Bira por explorações em cavernas e matas começou cedo. O artista plástico diz se lembrar perfeitamente do local que o pai chamava de “vale dos dinossauros”, uma passagem por entre dois morros que seguia para a Lagoa Feia, onde paravam pra tomar café debaixo de um pequizeiro grande. Interessado em espeleologia, ele iniciou sua série de caminhadas aos 6 anos, sendo promovido a fotógrafo de expedições amadoras aos 8. Da primeira equipe, participavam ele, o pai e um pracinha da Força Expedicionária Brasileira que atendia pelo nome de Raimundo Doido. Por iniciativa própria, os três partiam juntos aos sábados e domingos procurando cavernas, e embora alguns fósseis tenham sido encontrados no final dos anos 50 por catadores de baru, uma fruta do cerrado, a área do vale permanecia na maior parte inacessível – havia pântanos e muita mata fechada.

Anos de desmatamento e erosão se seguiram até que, em 2004, mais um barranco desceu. Um vaqueiro foi o primeiro a notar que, daquela vez, havia um osso diferente em meio à terra. O homem levou o fóssil pra casa – pensava que era de um elefante. “Escorou numa janela”, conta Bira. Como o artista plástico era conhecido pelo interesse por explorar áreas do município, acabou recebendo o osso de um oficial de Justiça que soube do caso. Imediatamente depois de ver o achado, Bira seguiu até o local da descoberta. “Quando cheguei lá, vi que era um dinossauro”, lembra. O esqueleto parcialmente exposto foi então protegido com uma lona. “No começo, fiquei assim meio sigiloso com aquilo”, conta. Mas ele logo tratou de espalhar a notícia, na esperança de atrair pesquisadores. “Comuniquei (a descoberta) a todas as universidades de Minas Gerais, sem exceção, mas ninguém deu satisfação”. Um canal de TV de Montes Claros chegou a fazer uma visita, mas Bira diz que o especialista convidado insistia em que os fósseis eram de uma preguiça-gigante.

Pesquisa 
Tudo mudou quando Bira recebeu o telefonema de um rapaz que havia visto a reportagem na TV perguntando se ele receberia pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP). Os estudiosos chegaram, confirmaram que se tratava de um dinossauro, e dos grandes, e iniciaram em 2005 trabalhos em dois sítios paleontológicos que se estenderam até 2011. “É o titanossauro mais completo do mundo, o único que tem a cabeça completa”, diz Bira. “Acharam quase 90%, não falta um dente”, acrescenta. De todo o processo de pesquisa, porém, o morador de Coração de Jesus lamenta a retirada de fósseis da cidade, levados para São Paulo. Ele tinha a expectativa de que um laboratório de paleontologia fosse implantado no município como contrapartida, mas o projeto nunca saiu do papel. “Até hoje, não sei por que eu entreguei esses fósseis. Perdemos o dinossauro”, diz.

Hoje, Bira segue apurando informações que recebe sobre a possibilidade de que haja mais esqueletos preservados nos locais de escavação. “Dizem: ‘em tal canto apareceu isso’. Aí, a gente vai ver se é verdade”, conta. Assim como o pai fez com ele, o aposentado costumava levar o filho em suas andanças e hoje caminha com o neto, de 12 anos. 

Explorando a zona rural de ônibus, ele por vezes segue para os locais relatados, pernoita na mata e retorna à estrada no dia seguinte. Qualquer material encontrado é armazenado no Centro Cultural José Alves Macedo, fundado há 12 anos por Bira e que leva o nome do pai dele. O local é mantido com a venda de artesanato. O casarão antigo abriga ainda a única biblioteca da cidade, organizada com livros, mobiliário e até telhas doadas. “O único centro que tem (em Coração de Jesus) é esse aqui, que informa, que colhe dados. O próprio arquivo do município acabou, não tem mais uma folha”, reclama.

Sem estradas que permitam o acesso aos sítios onde estavam os fósseis, o sonho de Bira é mobilizar a cidade e negociar para asfaltar o caminho e criar um a espécie de museu a céu aberto. “No sítio está tudo parado. O fazendeiro cercou a área para o gado não destruir”. Hoje, no município em que o Tapuiasaurus macedoi foi descoberto, duas réplicas de dinossauros que mais se parecem a tiranossauros rex e decoram um parque são das poucas referências de que ali houve um capítulo fundamental da paleontologia brasileira.
 
Quer receber todas as novidades do site www.monteazulmg.com.br
Então não deixe de curtir nossa página no link abaixo:
 
 
 
Por: Juliano F. Teles
Publicado em 21/11/2016 - às 11:56 pm



Deixe seu comentário:


Deixe o seu comentário

Digite seu nome: *
Seu e-mail: *
Seu telefone: opcional
Sua mensagem: *
 
publicidade
Meg
Centro Educacional Bacaninha
Drogazul
Hotel Primordial
Pernambuco Centro Automotivo
II Copa de Jiu Jitsu Combat Club
Imóveis Markatex
Alfa Consórcio
APAE de Monte Azul MG
Supermercado do Fábio
Pedro Poeta
Funerária Barbosa
Via Alternativa Temperbox
Classificados
» Veja todos os anúncios
Aniversariantes do dia
Nenhum aniversariante hoje.

» Veja todos os aniversariantes do mês
Relatório online
102 visitante(s) online.
11.308 acessos ao site hoje
16.334.598 acessos ao site desde 05/2010

Recorde de visitantes online: 4668

Exibições de página diária: 11.348
Exibições de página mensal: 17.439.530

Noivas, Casamento, Cerimonial  Funerária, Velório, Cemintério  Produtos Naturais, Nutricionais, Ervas, Chás e Aromáticos  Capotaria, Lavagem a seco...  Agências, Bancos e Financeiras,  Alfaiatarias e Costureiras,   Artistas e Artesões,  Animais,Veterinária e Pet Shop,  Supermercados, Mercearias e Armazéns,  Assessoria e Consultoria,  Associações, Entidades, Ongs e Sindicatos,  Automóveis e Veículos,  Açougues e Peixarias,  Casa de Peças, Acessórios e Oficinas,  Beleza, Estética e Saúde,  Butiques e Lojas de Roupas,  Casas Lotéricas,  Clínicas e Diagnósticos,  Confecções e Vestuário,  Construção Civil, Locação e Materiais,  Correios,  Decoração,  Dentistas, Protéticos e Aparelhos,  Diversões e Lazer,  Escolas, Cursos e Treinamentos,  Esportes,  Faculdades e Universidades,  Farmácias, Drogarias e Laboratórios,  Ferro Velho e Peças Usadas,  Fotografia, Gráficas e Stúdios,  Hotéis, Pousadas e Dormitórios,  Hospitais e Postos de Saúde,  Indústrias e Fábricas,  Informática, Internet e Computadores,  Lojas diversas,  Médicos, Consultórios e Profissionais Liberais,  Móveis, Eletrodomésticos e Magazines,  Padarias e Confeitarias,  Papelarias, Xerox e Serviços Digitais,  Polícia, 
NOTÍCIAS AGENDA FOTOS VÍDEOS MONTE AZUL MG PARCEIROS CONTATO
Website desenvolvimento pela Wtis Copytight © 2008-2010 Todos os direitos reservados.